Projetos
Projetos apoiados pelo evento

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

COORDENAÇÃO GERAL DE PROGRAMAS

ACADÊMICOS E DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/UFPB) e
DE VOLUNTÁRIOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIVIC)

TÍTULO DO PROJETO:

O correio leibniziano- o estudo de Leibniz em sua correspondência

PROGRAMA: PIBIC/PIVIC


1. PROJETO:

· Introdução [0 - 2 pontos]

A filosofia moderna também deve ser lida através do jogo de correspondências entre os mais diversos autores. Sejam em temas que ligam diretamente dois correspondentes (na longa cadeia de respostas, réplicas, tréplicas) que lançam novas luzes sobre idéias já colocadas, ou fazem surgir outras; seja nos comentários entre um correspondente e outro sobre um autor polêmico ou uma idéia controversa que está em voga naquele momento. As correspondências constituem uma fonte de registros importante para compreender com maior profundidade um determinado autor e seus sistema de pensamento. Leibniz insere-se nesta tradição do envio e recebimento de cartas, tendo em vista explicitar com seus destinatários os mais diversos pontos de vista de sua filosofia, ou mesmo, emitir pareceres sobre outros sistemas filosóficos importantes. Por isso nos propomos a estudar diversas correspondências nas quais Leibniz esteve envolvido. Segundo Brown e Fox, em seu Historical Critical of Leibniz's Philosophie[1], o filósofo nascido em Leipzig, na Alemanhã, dispunha de uma gama de correspondentes bastante extensa, até onde podemos contabilizar, 623 correspondentes.

Neste sentidos nossos objetivos gerais são:

  • Tratar e divulgar a obra de Leibniz no Brasil, em especial na Universidade Federal da Paraíba;
  • Criar e fortalecer um Grupo de Pesquisa sobre Leibniz e o Leibnizianismo, abrindo espaço e oportunidades para outros autores e comentadores importantes no período, bem como o ensejo para a pesquisa em toda história da filosofia;
  • Criar e fortalecer um espaço que se consolide e se dedique ao estudo do pensamento leibniziano;

· Fundamentação Teórica

Os temas que circulavam entre os bilhetes e as cartas eram diversos, desde solicitação de mantimentos até verdadeiros tratados que tergiversavam entre um importante e litigioso tema. A organização dos escritos leibnizianos (cartas, opúsculos e textos de grande monta) se dá à partir dos anos 20 do século passado, num trabalho junto aos estudiosos da Universidade de Hannover. Interrompido durante a II Guerra Mundial volta a ser tomado como objeto de estudos, organização e de fotocópias à partir dos anos 60 e se encontra até os dias de hoje em pleno trabalho. Importantes centros de estudos, como a Sociedad Española Leibniz para Estudios del Barroco y la Ilustración, a Société D'études Leibniziennes de Langue Française, a Leibniz-Archiv/Leibniz-Forschungsstelle Hannover e no Brasil, o Grupo de Estudos Espinoseanos da Universidade de São Paulo, dependem do acesso aos documentos para atualizar as leituras e estudos sobre a filosofia leibniziana.

A correspondência de Leibniz pode ser organizada pela relação de destinatários, por datas específicas de acordo com seu trânsito e estadia nos mais diversos países europeus e ainda por temas. Como em seus pequenos e grandes tratados, alguns temas se iniciam e necessariamente não terminam, podendo aparecer novamente de forma bastante sintética ou mais longamente explicada em outros textos. Neste caso o sistema de Leibniz permanece como um conjunto em constante abertura e expansão. Como em seu conceito de representação, explicado na metáfora da cidade (GP, VI, Monadologie, § 57), há vários pontos de vista de sua obra, garantindo várias entradas e saídas em um mesmo tempo. Em grande medida, o sistema leibniziano se reflete na sua concepção de caracteristica universalis, que pressupõem um tratamento epistemológico dos saberes capazes de colocá-los em pleno avanço na medida em que operam o seu processo de conhecimento do mundo. Esta lógica[2] consiste em promover uma ligação necessária entre todos os campos do conhecimento, permitindo plenas condições para o seu desenvolvimento irrestrito e cooperativo. A mesma maneira de dispor dos saberes em separado (física, geografia, metafísica, matemática, história, etc...) também promove a ligação necessárias entre as diversas linguagens que alicerçam cada conhecimento em seu campo de atuação. Esta é uma amostra da lógica leibniziana e da maneira pela qual propomos interpretar seus escritos.

A correspondência de Leibniz é tão abundante em números na sua relação com outros sábios que mantinha este correio, como em conteúdos que por vezes se concentram em uma discussão alinhada, e outras vezes, aparecem de forma extremamente prolixa em sua obra. Por isso, pretendemos nos concentrar neste projeto em algumas de suas correspondências, escolhendo à cada etapa de estudo, apenas um destinatário. Sem negar e negligenciar a sua obra em geral, cada discussão de Leibniz através de suas cartas servirá além de conhecer o conteúdo imediato daquele diálogo, também consistirá em estabelecer pontes e ligações com outros temas em seus escritos, ampliando cada vez mais o horizonte de compreensão sobre o autor.

Nesta temporada de pesquisa o objetivo é estudar a correspondência de Leibniz com Malebranche, o mais importante cartesiano francês do século XVII. Suas correspondências figuram um prelúdio à discussões metafísicas fundamentais, que vão desembocar no texto pré-monadológico mais importante de Leibniz, o 'Discurso de Metafísica'. Este texto tem como inspiração uma das obras malebranchianas mais importantes, o 'Tratado da Natureza e da Graça' e representa a influência e utilização de termos que vão nortear as duas filosofias, tais como: os limites e possibilidades do cartesianismo; o conceito de Milagre; a teoria da criação contínua; a relação corpo e Alma; o ocasionalismo e Harmonia Preestabelecida.

 Metodologia

A metodologia deste trabalho consiste na leitura particular e também pública dos principais textos propostos, com o intuito de abrir o debate sobre os temas a ampliar o horizonte de compreensão acerca dos escritos dos filósofos. Sobre a escrita, esta dar-se-á em duas partes: a primeira compreende de um esboço sobre as leituras efetuadas; a segunda, na escrita do artigo que será a principal finalidade deste projeto. A versão final do texto será apresentada para o grupo de pesquisa.

· Referências

- ARNAULD, Antoine. Des vraies et des fausses idées. J VRIN Librairie, Paris, 2011.

-ADORNO F.P. Arnauld, Paris, Les Belles Lettres, 2005.

-CHAVALIER O. Deux carésiens face à deux modèles de Démonstracion face aux Regulae et à l'Organon. Corpus, Paris, Fayard, 2005, p. 249-275.

-MOREAU D. Arnauld. Les idées et les vérités éternelles. Les Études philosophiques, 1996, p. 131-156.

---Deux Cartésiens. La polémique entre Antoine Arnauld et Nicolas Malebranche, Paris, J.Vrin, 1999.

-LEIBNIZ, Gottfried Wilhelm. A Monadologia. Os Pensadores XIX. Tradução de Marilena de Souza Chauí Berlinck; Luiz João Baraúna. Editora Abril Cultural,1a edição, 1974. pp 63-402.

---A Monadologia e outros textos. Organização e Tradução de Fernando Luiz Barreto Gallas e Souza. Editora Hedra: São Paulo, 2009.

---.Discurso de Metafísica. Os Pensadores XIX. Tradução de Marilena de Souza Chauí Berlinck; Luiz João Baraúna. Editora Abril Cultural,1a edição, 1974.

---.Novos Ensaios Sobre o Entendimento Humano. Os Pensadores XIX. Tradução de Marilena de Souza Chauí Berlinck; Luiz João Baraúna. Editora Abril Cultural, 1a edição, 1974.

---.Da Origem Primeira das Coisas. Os Pensadores XIX. Tradução de Marilena de Souza Chauí Berlinck; Luiz João Baraúna. Editora Abril Cultural,1a edição, 1974.

---.O que é a Idéia. Os Pensadores XIX. Tradução de Marilena de Souza Chauí Berlinck; Luiz João Baraúna. Editora Abril Cultural, 1a edição, 1974.

---.Correspondência com Clarke. Os Pensadores XIX. Tradução de Marilena de Souza Chauí Berlinck; Luiz João Baraúna. Editora Abril Cultural, 1a edição, 1974.

---. Escritos Filosoficos. Tradução de Roberto Torretti, Tomás E. Zwanck e Ezequiel de Olaso. Buenos Aires: Editorial Charcas, 1982. p. 666.

---. Escritos en torno a la libertad, el azar y el destino. Selección, estudio preliminar y notas de Concha Roldán Panadero; Traducción de Roberto Rodríguez Aramayo y Concha Roldán Panadero. Editorial Tecnos, Madrid, 1990.

---.Escritos Politicos. Seleccion, Traduccion, Notas y Prologo de Jaime Salas. Centro de Estudios Constitucionales, Madrid, 1979.

---Opuscules Philosophiques Choisis. Traduits par Paul Shrecker. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 1978.

---Système nouveau de la nature et de la communication des substances. Présentation et notes de Christiane Frémont, GFFlammarion, 1994.

---.Discours de métaphysique et autres textes. GFFlammarion, Paris, 2001.

---.Nouveaux essai sur l'entendement humain. GFFlammarion, Paris, 1990.

---Principes de la Nature et de la Grâce. GFFlammarion, Paris, 1996.

---.Prefácio à Ciência em Geral. Tradução de Antonio Borges Coelho. Lisboa, Portugal. Editorial Gleba Ltda. Livros Novo Horizonte.

---.Projeto de uma Arte de Inventar. Tradução de Antonio Borges Coelho. Lisboa, Portugal. Editorial Gleba Ltda. Livros Novo Horizonte.

---. Princípios da Natureza e da Graça. Tradução de Antonio Borges Coelho. Lisboa, Livros Novo Horizonte.Portugal. Editorial Gleba Ltda.

---. Essais de Théodicée- Sur la Bonté de Dieu, la Liberté de l'homme et l'origine du mal. (chronologie et introduction par ). Paris: Flammarion, 1969.

---. Ensaios de Teodicéia- sobre a bondade de Deus, a liberdade do homem e a origem do mal. Tradução, introdução e notas: Juliana Cecci Silva e William de Siqueira Piauí, Editora Estação Liberdade, São Paulo, 2013.

---. Sistema Novo da Natureza e da Comunicação das Substâncias e outros textos. Seleção e Tradução de Edgar Marques. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002. p.113.

---. Discurso sobre la Teología Natural de los Chinos. Traducción de Lourdes Rensoli Laliga. Biblioteca Internacional Martin Heidegger, Edicción Bilingue, Buenos Aires, 2000.

---. FOUCHER de CAREIL : Oeuvres de Leibniz, ed. by L. A. FOUCHER de CAREIL, 6 vols., 1st edn., Paris, 1859-65 ; vol. 7, 2nd edn., Paris, 1875. ---. Ed. Gerhardt, Die Philosophuschen Schriften von Leibniz, 7 vols. Hildesheim: Olms. 1965.

---. Ed. Gerhardt, Die Philosophuschen Schriften von Leibniz, 7 vols. Hildesheim: Olms. 1965.

-ROBINET, André. Justice e terreur- Leibniz et le principe de raison. J Vrin, Paris, 2001.

FRÉMONT, Christiane. L'être et la relation- avec trent-sept lettres de Leibniz au R.P.Des Bosses. Deuxième édition revue et corrigée, Jvrin, 1999.

 Objetivos específicos, relevância, vinculação ao projeto e resultados esperados 

Quanto aos objetivos específicos, pretendemos:

  • Ler a obra de Leibniz, iniciando pela sua correspondência;
  • Compreender as várias noções e conceitos que operam em seus escritos;
  • Vislumbrar a sua rede de correspondentes, promovendo a ligação entre os mais diversos filósofos do século XVII, apropriando cada vez mais dos diversos contextos e também, da obras e temas tratados pelos destinatários de Leibniz;
  • Promover uma visão cada vez mais qualificada do sistema de pensamento de Leibniz, compreendendo os graus de dificuldade de sua filosofia e a sua contribuição para a história das idéias;
  • Divulgar os processos e resultados destes estudos por meio de confecção de artigos, livros e cooperação em eventos nacionais e internacionais.



[1] BROWN, S e FOX, N.J. Historical Critical of Leibniz's Philosophie. Scarecrow Press, Maryland, 2006.

[2] Conforme descrição de Javier Echevarrìa sobre 'La ciencia leibniciana', in: La Ciencia de los Filósofos, 1996, pag. 127-144. Considerados os principais passos, apontaremos resumidamente apenas os 8 primeiros, que consistem na interpretação do professor espanhol sobre Leibniz, tendo como base uma carta de Leibniz ao duque Juan Francisco, em 8 de abril de 1679, durante a sua estada em Paris, após já fazer parte da Royal Society na Inglaterra, desde 1673. Os passos para a construção do projeto da Característica Universal são: 1) Inventário geral; 2) Resumo sistemático de cada ciência e saber; 3) Cada conhecimento apropria-se de sua linguagem específica, de sua tábua de signos; 4) Consiste em um cálculo, de estrutura algorítmica e combinatória; 5) Além de considerar enunciados verdadeiros e falsos, também levaria em conta os prováveis; 6)As ciências sempre progridem e avançam em sua forma de se relacionar com seus objetos; 7) O saber é coletivo e interdisciplinar, impulsionado pelas instituições formais de ciência; 8) Disputas e controvérsias são resolvidas perante o cálculo, como uma forma de Ars indicandi.


UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO

CAMPUS IV: LITORAL NORTE

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

Prof. Dr. Cristiano Bonneau

Departamento de Ciências Sociais

Projeto de Extensão- PROGRAMA DE BOLSA DE EXTENSÃO - PROBEX 2017

Os Filósofos e o Céu- o universo galileano

  • Justificativa

Os céus sempre tiveram influência importante na vida dos homens e representaram a idéia de infinito no imaginário. Seja o corpus celeste compreendido como mais um feito e um mistério da natureza; seja, como a morada inalcançável dos deuses ou como o lugar por excelência do trono divino; ou ainda, como um metrum e modus que balizaria a vida prática dos homens, tanto na agricultura, como na tomada de decisões e até mesmo na busca por sinais para as mais diferentes respostas. O corpus da mitologia, da religião, da astrologia e do conhecimento alquímico sofrem a influência arrebatadora dos astros tendo estes como uma base conceitual importante para o estabelecimento de cada um deste saberes. A filosofia, a matemática, a física e a biologia tem nos céus e todo o seu complexo movimento, os seus limites e a sua inspiração para avançar em suas áreas de saber. Por isso, o estudo do céu e pretensão de conhece-lo, significa, em grande parte, avançar não apenas na física ou astrofísica, mas, sobretudo desenvolver uma conhecimento sobre a natureza humana, aprofundando-se nas suas possibilidades e na sua compreensão. A geologia especula sobre o grande meteoro, que extinguiu o mundo jurássico e desencadeou todas as condições plenas para a vida humana seja possível; a psicologia, principalmente a de Jung, aponta para arquétipos e simbolismos que se ligam diretamente aos nossos temores da natureza e nossa metafísica da finitude, entre eles, o céu.

Ao mesmo tempo, o movimento celeste representa desde sempre a possibilidade de ordenamento dos cosmos, de alinhamento da natureza com a racionalidade humana. Significa em grande medida, o mistério insolúvel e o lugar privilegiado de busca para as respostas mais difíceis. O estudo dos céus é a porta de entrada para o entendimento universo e sua grandeza. Noções de filosofia, matemática, física, química, geografia e história (entre outros saberes que são fundamentais para o estudo do cosmos). A observação dos céus acende em nós a poesia, a ludicidade, o onirismo e o pensamento científico, todos de uma só vez. Por essa razão, pretendemos nos apoiar nesta observação, orientada a priori, para compor, aprimorar e desenvolver disciplinas que são fundamentais para o desenvolvimento investigativo da academia. Em nosso campus, essas áreas se encontram nos estudos de Antropologia, Ecologia, Pedagogia, Matemática e Letras. Cada qual, em sua área específica, tem uma contribuição fundamental para a compreensão do universo e seu desenvolvimento. A Astronomia constitui o lugar por excelência para este estudo, no entanto, não temos em nosso campus, quiçá na UFPB um curso desta natureza. Mas temos, áreas de estudo na física, na matemática, na biologia e na filosofia que tratam em muitas de suas áreas da própria astronomia e promovem uma interface com esta área do saber.

O ano de 2016 marcou o início destes estudos, ao empreendermos a leitura completa o texto 'Do Céu', de Aristóteles. Como uma complemento da Física, junto com os 'Meteoros', o texto apresenta uma teoria completa sobre a composição do céu e seu movimento regular. A física aristotélica faz parte do seu sistema metafísico que compõem e ordena o mundo. O fundamento do mundo sublunar determina o comportamento incorruptível dos corpos celestes, apontando para a perfeição do universo e do cosmos. Os estudos de Aristóteles sobre o céu, que compreende não apenas todas as teorias científicas anteriores ao estagirita - daí encontra-se Platão e os Filósofos pré-socráticos (Tales, Empédocles e Parmênides), mas a sua descendência pela teoria ptolomaica do universo. Todos os casos convergem para pensarmos em um universo em que a terra constitui seu centro e os astros são entidades fixas no céu. Esta noção é importante para a fundamentação da metafísica no ocidente, bem como a visão teocêntrica de mundo;

Para avançarmos na História da Ciência e da Filosofia, usaremos como ponto de apoio outros dois momentos históricos importantes para o estudo dos céus: 1) O pensamento copernicano, que rompe de forma definitiva com Ptolomeu e a autoridade da Igreja, abrindo caminho para Abd al-Rahman al-Sufi, Giordano Bruno Brahe, Kepler e Galileu. Neste último, que se organiza em definitivo o sistema heliocêntrico, nos interessa os texto Siderius Nuncius, ou o 'Mensageiro da Estrelas', com a exposição completa do pensamento galileano. Eis o ponto de ruptura e o nascimento da ciência moderna. Galileu é um dos maiores expoentes da Revolução Copernicana e consolida os novos saberes, em especial a física e a habilitação da matemática. Neste ponto, a física moderna, tanto nos estudos ligados ao movimento, à quantidade de massa e à dinâmica são fundamentais para embasar o profundo significado da ciência moderna; 2) Num terceiro momento, abriremos caminho para a 'Teoria do Céu' de Kant. Esta obra, por sua vez, lança luzes importantes sobre a História do Mundo e já aponta o raciocínio crítico de Kant para as ciências. Promovendo a crítica à filosofia de Newton, ele pretende os seus fundamentos, ao buscar a não separação da física e suas leis, já como uma demonstração de superação da metafísica da tradição. A obra de Kant se mostra como um importante testemunho das concepções cosmológicas do século XVIII.

Esses dois momentos importantes de nosso estudo serão importantes apoios para fundamentar a concepção de cosmos em cada tempo histórico específico, compreender as questões epistemológicas que ali se situam e qual a posição filosófica de cada autor. Neste sentido, a ciência se torna uma atividade formativa, informativa e atraente ao público, e demonstra por si mesma, a importância vital na constituição de nossa cultura.

  • Metodologia

Este projeto se apoia em duas partes bem distintas, importantes, mas articuladas entre si. Num primeiro momento, depreende-se o estudo das mais variadas teorias sobre a composição, manutenção e movimento do cosmos. Este estudo apoia-se em textos pré-escolhidos, que serão trabalhados na forma de seminários temáticos, para o entendimento da complexidade e dos diversos aspectos que compõem uma ciência sobre o estudo do universo.

Em acordo com o tema, serão confeccionados materiais para serem expostos, que tanto servirão como divulgação do trabalho deste projeto e também como apoio para a segunda parte. Estes materiais podem vir a ser desenhos à mão em cartolinas, poesias, audiovisuais e banners. Esta, por sua vez, compreende na abertura ao público do Campus para observação dos objetos celestes estudados. A princípio, uma exposição mensal, no turno da noite, para que os estudantes e interessados possam eles mesmos tomarem contato direto com o céu pela via dos telescópios do projeto. A observação estará devidamente identificada como parte das atividades permanentes do Campus IV, e será acompanhada dos participantes do projeto que estarão à disposição para a exposição do tema de estudo e suas eventuais dúvidas.

  • Público-alvo e parcerias

Este projeto visa de um modo geral todos interessados sobre o tema e de um modo específico os estudantes da rede pública de Mamanguape, com convite especial para a Escola Estadual de Ensino Fundamental e Medio Umbelina Garcez. Neste ambiente, o propósito é utilizar a filosofia como uma disciplina que propõem o diálogo com as outras áreas do saber, seja a Física, Matemática, Biologia, Sociologia, Psicologia História, Geografia e Literatura, oportunizando a dinâmica ensino-aprendizagem com visitas periódicas na universidade e apresentando os diferentes pontos de vista acerca do cosmos. Em outra frente, a participação da comunidade acadêmica do Litoral Norte, com seus inúmeros cursos também legitimam o caráter multidisciplinar desta proposta. A integração entre as mais variadas disciplinas, como propostas de visão de mundo, ampliam consideravelmente o horizonte compreensivo de todos os agentes que se propõem a encarar esta reflexão.

  • Objetivos Gerais

Tornar a observação do céu um ponto de apoio importante para fortalecer as teorias explicitadas e discutidas em sala de aula, estimulando o público para a reflexão, bem como a ludicidade e a cientificidade advindas com este estudo. Fomentar este espaço como um local para a prática da interdisciplinaridade dos saberes e da reflexão.

  • Objetivos Específicos

-Explicar pelo ponto de vista dos antigos e dos modernos, como estes viam o movimento do cosmos, promovendo a história da ciência e a filosofia;

-Vislumbrar a passagem da explicação teocêntrica e geocêntrica, para a heliocêntrica, compreendendo os paradigmas que conduzem cada uma destas noções de mundo;

-Promover o estudo e o debate dos textos clássicos que versam sobre o tema do universo e seu movimento;

-Estabelecer-se como um ponto de convergência entre as mais diversas disciplinas acadêmicas, sendo o ensejo para a explicação de teorias matemáticas, físicas, químicas, filosóficas, geográficas e educacionais;

-Abrir um espaço para que a comunidade acadêmica possa ter contato com os instrumentos de observação do céu, com a exposição pública em um espaço controlado.

-Realizar um simpósio que abra espaço para pesquisadores e estudantes do tema proposto, à ser realizado no Campus IV, como forma de fomentar e divulgar as atividades deste grupo de extensão.

  • Pedidos de Equipamentos e Bibliografia encaminhados para a Direção de Centro para a execução do projeto

Material de Apoio Estimativa de Preço

1 Telescópio Refrator ETX80 GOTO - MEADE

1 Luneta 90mm Silstar Laguna DT 30-90x90 WR Black

R$ 1375,00

1 Telescópio 150mm (6 pol.) Refletor Newtoniano Skylife Pandora 6 Blue Diamond

R$ 2200,00

1 Telescopio 114mm (4 pol.) SkyLife Cygnus AZ2 + Super Plossl + CD-ROM

R$ 1000,00

Bibliografia disposta neste projeto, estando à disposição em nossa biblioteca

  • Cronograma

Atividades Período

Estudo do texto 'Do Céu' de Aristóteles

Maio-Agosto

2016

Observação pública

(Todas as primeiras

Sextas-feiras do mês)

Fevereiro- Dezembro

2017

Estudo sobre 'O Mensageiros das Estrelas' de Galileu

Fevereiro- Dezembro

2017

Apresentação de Relatórios e participação nos eventos de extensão

Outubro-Dezembro de 2017

-Artigo sobre a segunda parte do projeto

Janeiro-Fevereiro 2018

  • Bibliografia:

-ARISTÓTELES. Do céu. Tradução de Edson Bini. Ed. Edipro, São Paulo, 2014.

---. Da Alma. Tradução de Edson Bini. Ed. Edipro, São Paulo, 2014

---. Metafísica. Comentário, Notas e Estudo de Giovanni Reale. Tradução de Marcelo Perine. Edições Loyola, São Paulo, 2001.

PLATÃO. Timeu - Crítias - O segundo Alcibíades - Hípias Menor. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: EDUFPA, 2001

-MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. O Livro de Ouro do Universo. Ediouro, Rio de Janeiro, 2000.

-COUPER, Heather. HENBEST, Nigel. História da astronomia. Tradução de Henrique Monteiro. São Paulo, Larousse do Brasil, 2000.

-Os Filósofos Pré-Socráticos- História crítica com Selecção de Textos. Tradução de Carlos Alberto Louro Fonseca, 4ª Edição, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1994.

-LEIBNIZ. Protogaea. Uma teoria sobre a Evolução da Terra e a Origem dos Fósseis. Traduzido por Nelson Papavero, Dante Martins Teixeira e Maurício de Carvalho Ramos São Paulo, Plêiade: FAPESP, 1997.

-LOBATO, Monteiro. Viagem ao Céu. São Paulo, Brasiliense, 2004.

---. Geografia da Dona Benta. São Paulo, Brasiliense, 2004.

-KANT, Immanuel. Teoria do céu. Editora Ésquilo, Porto, 2004.

-Histoire Générale de la Nature et Théorie du Ciel. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 1984. p. 61-203.

-GLEISER, Marcelo. A dança do Universo- dos Mitos de Criação ao Big Bang. - São Paulo : Companhia das Letras, 1997

-KOYRÉ, A. Estudos de história do pensamento científico. Tradução de Márcio Ramalho. RJ: Forense universitária, 1991

-NEUGBAUER, O. Astronomy and history: selected essays. Springer Verlag; New York, 1983.

-SALIBA, G. A History of Arabic Astronomy: planetary theories during the golden age of islam. New York University Press; Nueva York, 1994.

-BARROS-PEREIRA, Humberto Antonio de. Astronomia islâmica entre Ptolomeu e Copérnico: tradição Maraghah. Rev. Bras. Ensino Fís. [online]. 2011, vol.33, n.4, pp. 4303-4303. ISSN 1806-1117.

---. Esferas de Aristóteles, círculos de Ptolomeu e instrumentalismo de Duhem. Rev. Bras. Ensino Fís. [online]. 2011, vol.33, n.2, pp. 1-14. ISSN 1806-1117.

-COPÉRNICO, N. As Revoluções dos Orbes Celestes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.

---. Commentariolus: Pequeno comentário de Nicolau Copérnico sobre suas próprias hipóteses acerca dos movimentos celestes. Tradução, introdução e notas de Roberto de Andrade Martins. São Paulo/Rio de Janeiro: Nova Stella/Coppe-MAST, 1990.

GALILEI, G. Diálogo sobre los dos Máximos Sistemas del Mundo Ptolemaico y Copernicano, Antonio Beltrán Mari (ed.) Madrid: Alianza Editorial, 1994.

---. O Mensageiro das Estrelas. Fundação Calouste Gulbenkian, Tradução Henrique Leitão, 3ª Edição, Lisboa.

-BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia Grega. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986, 3 Volumes.